O homem que tinha memória

Em maio de 2006, quando participava de um projeto com a Editora Ática, o ator Cadu Cinelli foi apresentado ao livro “O homem que não queria saber mais nada e outras histórias” do escritor suíço Peter Bichsel. Lançado na Alemanha em 1969, o livro ganhou o prêmio Johann Peter Habel de 1986 – consagrada láurea literária alemã de literatura.

Peter Bichsel é autor de uma vasta obra constituída principalmente de textos curtos e jornalísticos. A crítica literária, buscando categorizá-lo, impressionou-se com a destreza da construção dos seus textos. O crítico alemão Beat Mazenauer escreveu: Bichsel não é rapsodista nem romancista, mas um contador de causos da tradição oral. Indagações, ideias fixas e manias do homem moderno pós-guerra são as principais características de seus personagens, mergulhados num ágil jogo rítmico com a palavra e o tempo.

Tais características levaram Cadu Cinelli a convidar seus parceiros de longa data, os atores Edison Mego e Warley Goulart – há 16 anos integrantes do grupo Os Tapetes Contadores de Histórias – para traduzir a potencialidade da palavra de Bichsel para a cena teatral. Cada ator elegeu um conto do livro e partiu para a criação dos elementos fundamentais para colocar a narrativa em ação, seguindo a linha de pesquisa, em arte têxtil e narrativas, que juntos vem desenvolvendo ao longo destes anos.

Em seguida, os atores convidaram o diretor Isaac Bernat para fazer a supervisão cênica deste trabalho, considerando sua longa e profunda investigação sobre a Arte de Contar Histórias, experiência na transposição para o teatro, bem como intersecções com demais linguagens artísticas. Além de dirigir espetáculos que se utilizam da narração de histórias como linguagem principal, Isaac Bernat lançou o livro Encontros com o Griot Sotigui Kouyaté, no qual fala de sua imersão na arte de contar histórias ao lado do mestre griot e ator de Peter Brook que mesclou em si toda uma vivência artística calcada no intercâmbio entre teatro e oralidade.

Deste encontro com Isaac, nasceu O HOMEM QUE TINHA MEMÓRIA – peça teatral que reúne três histórias, de humor inusitado, cada qual contada por um ator, que têm em comum homens solitários que usam a memória como instrumento para o contato humano e razão de viver. Num jogo pendular entre o dramático e o narrativo, os atores|rapsodos destacam, ampliam e ilustram momentos da narrativa, desvelando a ação e seus sentidos.

Conto 1 – O homem que tinha memória
Edison Mego conta a história de um homem aficionado por trens, com incrível habilidade em memorizar horários e destinos, que passa seus dias numa estação ferroviária a questionar os transeuntes. O homem que tinha memória argumenta que se as pessoas tivessem memória não precisariam viajar para experimentar o tempo. Mas tudo se transforma quando é inaugurado, na estação, um guichê de informações.

Conto 2 – A mesa é uma mesa
Warley Goulart apresenta a história de um homem velho de casaco cinza inconformado com a mesmice em sua vida. Como saída, passa a trocar os nomes dos objetos de sua casa a fim de inventar uma língua que redefina as coisas ao seu redor. No entanto, esse novo idioma toma proporções radicais em sua relação com o mundo.

Conto 03 – A Terra é redonda
Cadu Cinelli conta a história de um homem que passa o tempo inventariando tudo que sabe e decide planejar uma viagem, sempre em linha reta, para comprovar que a Terra é redonda. O projeto vai se tornando cada vez mais complexo à medida em que ele vai catalogando suas necessidades e imaginando os imprevistos, os obstáculos geográficos e financeiros.

FICHA TÉCNICA

Autor do Livro O HOMEM QUE NÃO QUERIA SABER MAIS NADA E OUTRAS HISTÓRIAS: Peter Bichshel

Adaptação, Concepção Cênica e Interpretação: Cadu Cinelli, Edison Mego e Warley Goulart

Supervisão: Isaac Bernat

Cenários e Figurinos: Os Tapetes Contadores de Histórias e Bruno Perlatto

Iluminação: Aurélio de Simoni

Idealização e Direção Musical: Cadu Cinelli

* músicas de Érica Alves e Gothan Project

Programação Visual: Thiago Motta

Fotos: Renato Mangolin

Assessoria de Imprensa: Meise Halabi

Direção de Produção: Caleidoscópio Cultural

Produção Executiva: Rilson Bacco

Coprodução: Mãe Joana Produções

Realização: Os Tapetes Contadores de Histórias